Pontilhismo

Conhecido também como Dotwork, é uma técnica de preenchimento diferenciada que demanda tempo, perfeição e precisão. O Pontilhismo na tatuagem se popularizou na década de 90, na Europa, mas é herdeira do Impressionismo, da França, século XIX: é considerado um movimento pós-impressionista e está relacionado ao momentâneo e em mostrar as impressões do artista em relação ao meio em que vivia.

Embora tenha tido um boom nos anos 90, a técnica não é tão recente assim. Na verdade, o pontilhismo marca o início da história da tatuagem: antes da invenção das máquinas elétricas, a tatuagem era feita por pontos que preenchiam um espaço em branco por inteiro. Sem perder o foco do pontilhismo ocidental, podemos lembrar da técnica da tatuagem Yantra, da Tailândia, uma técnica milenar que influencia ainda hoje os tatuadores: eles dispensam a máquina elétrica e fazem uso apenas de uma espécie de caneta, haste e agulha. A própria máquina elétrica trabalha com pontos, mas a velocidade da agulha é tão rápida que não nos damos conta que o traço é produzido por pequenos pontos ou furos — ui!

Tattoos nesse estilo podem demorar muito tempo para serem produzidas e exigem do artista muita técnica e experiência, já que para um trabalho perfeito é necessária a justaposição dos pontos para que seja criado o efeito de profundidade, permitindo a criação de sombras.
O bagulho é doido e é preciso técnica e competência!
Pontilhismo geralmente é aplicado na pele em cor preta, para dar a impressão de profundidade, mas também vimos trabalhos com pontinhos coloridos que são inspiradores.